IPCA
-0.04 Set.2019
Topo
Descomplique

Descomplique

Categorias

Histórico

Uber x carro próprio: qual é o mais econômico para o seu bolso?

Júlia Mendonça

27/06/2019 04h00

Não adianta negar: nossa vida mudou muito desde a invenção dos aplicativos de transporte. Tarde demais para pegar um ônibus? Vontade de sair para beber? Não importa o motivo, basta abrir o aplicativo para ter um motorista à sua disposição.

O melhor de tudo é que você ainda paga pouco por esses serviços, a ponto de muita gente decidir vender o carro próprio para andar apenas de Uber, 99 ou Cabify. Será que realmente vale a pena trocar o veículo pelo transporte compartilhado?

Veja também:

5 ideias práticas para ajudar você a sair do sufoco das dívidas
Vale a pena fazer seguro do carro?
3 truques que te fazem gastar mais dinheiro na hora das compras
10 formas de fazer renda extra sem precisar gastar nada

Comparando custos

Em primeiro lugar, saiba que não há resposta pronta para essa pergunta, pois vários pontos precisam ser levados em conta. Um carro tem custo alto, mesmo que já seja quitado ou fique parado na garagem a maior parte do tempo. Tem IPVA, manutenção, seguro, estacionamento, multas e combustível.

Isso porque nem estamos considerando a depreciação de seu valor, que você sente no bolso na hora de trocar de veículo. Ou seja: quanto menos sai com seu carro, menos vantajoso ele se torna.

Carro próprio x aplicativo

Para saber se andar de carro próprio vale mais a pena que aplicativos de carro, vamos imaginar um cenário em que você é dono de um veículo Gol 2019. Segundo as pesquisas que realizei sobre esse carro, na região de São Paulo, são gastos por volta de R$ 8.000 por ano com seguro, impostos e depreciação.

Com esse mesmo valor e período, você consegue fazer cinco corridas de R$ 30 por semana no Uber.

Se acrescentarmos os custos de manutenção e combustível para rodar 10 mil quilômetros por ano, considerando a gasolina ao custo de R$ 4,20 por litro, seu gasto chega perto de R$ 4.200 ao ano.

Mais despesas

Adicionando despesas de pedágio, estacionamento, multas e afins, o custo salta para algo em torno de R$ 5.500. Até o momento, o valor já chega em R$ 13,5 mil por ano, o que representa R$ 1.125 de gastos por mês.

Se vender seu carro por R$ 30 mil e aplicar o dinheiro num investimento que renda 0,5% ao mês, você terá um ganho anual de R$ 1.500 por ano sem nenhum esforço. Se mora em prédio, pode ainda alugar sua vaga de garagem ao valor médio de R$ 150, obtendo um total de R$ 1.800 por ano.

Simule corridas

Para se ter uma ideia de quanto você gasta com aplicativos, sugiro que simule vários trajetos comuns à sua rotina em diversos horários –uma vez que há variação de preço a depender da hora do dia.

Supondo que use carro compartilhado uma vez por dia e sua média de gastos seja de R$ 25 por corrida, você terá ao longo de 30 dias uma despesa de R$ 750. Comparando com os gastos do carro próprio, fica R$ 375 mais barato por mês. Se a intenção é economizar ainda mais, você pode alternar com meios de transporte como metrô, ônibus e bicicleta.

Ficar sem carro não é tão fácil

Naturalmente, vender o carro para ficar só com o aplicativo não é algo tão simples assim. Para muitas pessoas a comodidade que o carro traz vale o custo para mantê-lo. Trata-se de uma questão pessoal, sem certo ou errado.

Se depende de carro para trabalhar, fica o dia inteiro rodando na rua e está sempre fazendo viagens, é bem provável que ficar com o veículo seja mais vantajoso para seu estilo de vida.

Porém, se não vê tanta necessidade de ter um automóvel e acha mais confortável chamar um carro a hora que quiser, além de não se importar de usar outros meios de transporte, os aplicativos são a melhor alternativa. Antes de tomar sua decisão, coloque todos os gastos na ponta do lápis e veja qual opção oferece maior economia.

Agora quero saber sua opinião: você prefere Uber ou carro próprio?

Descomplique: 9 hábitos para ficar de boa com dinheiro antes dos 40

UOL Notícias

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

Sobre o Blog

Dinheiro, finanças e investimentos de um jeito fácil e muito prático. O Descomplique vai fazer com que sobre grana no teu mês (e não o contrário!). Com linguagem simples e sem esconder as armadilhas do dia a dia que te deixam no vermelho, aqui você vai aprender a cuidar melhor do teu dinheiro e fazer com que ele trabalhe para você.