IPCA
0.11 Ago.2019
Topo
Descomplique

Descomplique

Categorias

Histórico

5 dicas para quem quer investir na Bolsa de Valores

Júlia Mendonça

20/08/2019 04h00

A Bolsa de Valores está encantando muita gente. Com a taxa de juros cada vez menor e as ações batendo recorde, há muita gente querendo começar na renda variável, mas não tem nem ideia por onde começar ou como fazer isso.

Infelizmente, grande parte desses novos investidores começa nas ações com o mínimo de conhecimento e corre um risco enorme de não ganhar dinheiro, e, pior, perder muito do que investiu. Separei cinco dicas essenciais para quem deseja iniciar na Bolsa de Valores de forma consciente e escapando das maiores armadilhas da renda variável.

Veja também:

Tem pouco dinheiro para investir? 4 dicas para fazer a grana render mais

Bolsa tem batido recordes. Está na hora de entrar? Conheça os riscos

Quer opções para uma aposentadoria tranquila, sem ser previdência privada?

Tesouro Direto: conheça os títulos e monte uma carteira de investimentos

Tenha uma reserva de emergência

Na pressa para entrar na renda variável para aproveitar a oportunidade do momento, vários investidores esquecem que precisam se planejar financeiramente para imprevistos. A reserva de emergência é fundamental para qualquer pessoa que deseja começar nas ações.

Imagine o seguinte: seu carro deu defeito. Para arcar com o conserto, existem diversas opções, desde pegar um empréstimo com o banco até utilizar o dinheiro que está investido nas ações. Essas duas estratégias são péssimas já que os juros do empréstimo vão corroer qualquer rendimento que você tenha na Bolsa. Liquidando as suas ações, a chance de tirar a sua grana na baixa da cotação pode ser grande, e toda a chance que tinha de ter lucro na sua operação acaba neste momento.

Por isso é fundamental que você tenha um valor guardado na renda fixa para suportar esses imprevistos e não precisar retirar dinheiro dos seus investimentos. Além de proteger sua grana, também vai ter uma vida muito mais tranquila, pois dinheiro não será um problema a mais na hora que surgir uma emergência.

Não faça operações de curto prazo

Na ânsia de ganhar muito dinheiro e em pouco tempo, vários investidores se arriscam nas operações de day trade e swing trade. Esse tipo de estratégia é bastante arriscada, exige muito estudo e dedicação para não perder dinheiro, coisa que a maioria das pessoas não tem.

O ideal para o pequeno investidor é investir em ações para o longo prazo, estratégia essa chamada de "buy and hold". Nesse modelo, você investe com a finalidade de ser sócio das empresas por meio das ações e as mantém durante anos. A intenção é ganhar com o crescimento dessas companhias e os dividendos recebidos.

Seguindo essa estratégia, você tem mais tempo de se dedicar ao seu trabalho, família e consegue um rendimento ótimo no longo prazo.

Por trás de toda ação, existe uma empresa

Não invista em ações seguindo conselho de amigos ou dicas na internet sem fontes confiáveis. Conheça quais são os indicadores da empresa que está por trás da ação. Isso significa saber quais são as fontes de receita, qual é o lucro, os diferenciais de mercado e a dívida que a companhia possui.

O estudo desses indicadores é chamado de análise fundamentalista e, por meio dele, você descobre se a empresa é adequada aos seus objetivos. Investir em boas empresas faz toda a diferença no longo prazo. E, acumulando seu dinheiro nas melhores companhias, conseguirá ter uma aposentadoria tranquila.

Sua ação vai cair

As sucessivas altas da Bolsa deixam o investidor iniciante mal-acostumado, acreditando que é fácil ganhar dinheiro na renda variável. É preciso lembrar que nada é previsível quando falamos em ações e é possível perder dinheiro por muito tempo antes de alcançar uma rentabilidade positiva.

Por isso não invista na Bolsa caso não esteja preparado para ver seu dinheiro desvalorizar. É comum ver investidores sem experiência que entraram na renda variável atrás da grande oportunidade e perdem dinheiro no primeiro sinal de queda, pois ficam desesperados.

Se você não aceita a possibilidade de ver sua grana desvalorizada, fique longe das ações.

Não fique acompanhando as cotações o tempo todo

O investidor que busca as ações para o longo prazo não deve ficar acompanhando as cotações diariamente. A chance do seu emocional atrapalhar nas decisões e acabar vendendo os seus papéis na baixa é diretamente proporcional à frequência com que você checa o valor dos seus ativos.

O ideal é buscar por informações uma ou duas vezes ao mês no máximo. No curto prazo tudo pode acontecer, já no longo prazo as ações de boas empresas tendem a ter maior estabilidade.

Descomplique: Mude sua cabeça para ter um "pensamento rico"

UOL Notícias

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

Sobre o Blog

Dinheiro, finanças e investimentos de um jeito fácil e muito prático. O Descomplique vai fazer com que sobre grana no teu mês (e não o contrário!). Com linguagem simples e sem esconder as armadilhas do dia a dia que te deixam no vermelho, aqui você vai aprender a cuidar melhor do teu dinheiro e fazer com que ele trabalhe para você.